Filosofia de Sócrates: quem foi e conceitos!

Frequentemente considerado o pai da filosofia ocidental, Sócrates é tão famoso quanto desconhecido, mas continua sendo um personagem enigmático porque não deixou escritos. O filósofo grego foi descrito por seus detratores (Aristófanes), pintando-o como um sofista ridículo ou perigoso, ou por seus seguidores entusiásticos (Xenofonte, Platão, Aristóteles).

Platão, que recebeu seus ensinamentos, geralmente se expressava por meio da boca de Sócrates e fazia dele um grande craque da maioria de seus diálogos. Entre os diálogos de Platão, a Apologia, o Crito e Phaedo nos fornece informações sobre sua vida e morte. Observe que, no final do simpósio, Alcibíades, entre a feiura física de Sócrates e sua beleza moral, o comparou à grotesca estátua de um Silenus.

Sócrates: quem foi?

Nascido em Atenas, um evento que suscitará sua vocação filosófica: Pitia, oráculo de Delfos, que disse a um amigo que ele era o mais sábio dos homens, Sócrates, primeiro incrédulo, esclareceria o significado dessas palavras e começaria uma vida de pesquisas. dos atenienses, para descobrir o que estava em sua superioridade.

“Tudo o que sei é que nada sei, enquanto outros pensam que sabem o que não sabem.”

Mas esse incomodava o conformismo intelectual lúcido de muitos, e se as intermináveis ​​discussões Sócrates interessavam apaixonadamente os jovens, logo eles se preocupariam com os ricos, que o acusavam de impiedade e corrupção da juventude. Ele foi finalmente condenado à morte depois de um julgamento pelos argumentos de sua defesa (Apologia).

Filosofia de Sócrates e os sofistas

A filosofia de Sócrates é, em certo sentido, uma resposta a Anaxágoras, que afirmou que o homem é inteligente porque tem mãos. De fato, a superioridade do ser humano é parecer inteligente em sua alma, que governa o corpo e participa do divino. Daí uma série de requisitos. Se o homem de fato tem uma alma de origem divina (ao contrário de crenças estabelecidas, Sócrates argumenta que os deuses não sofrem de paixões humanas), entendemos a necessidade de maior consciência e a exigência da fórmula “conheça a si mesmo” inscrita no templo de Delfos.

Por outro lado, o controle do corpo é reforçado pela crença na imortalidade da alma (cf. Fédon de Platão). Acrescente o exemplo de coragem e serenidade que nos dá o próprio Sócrates antes de beber a cicuta: compara o cisne que na hora da morte canta, não de dor, mas de alegria e esperança.

Filosofia de Sócrates

Sócrates é um importante filósofo grego e que contribuiu muito para a formação da sociedade moderna. (Foto: Writing Expert)

A filosofia de Sócrates como uma filosofia abrangente

Mas a verdadeira dignidade da alma procede da ciência, que é sua autêntica herança. Uma ciência que não possui, como agora, os fenômenos do mundo exterior: Sócrates assume a mesma posição contra os teóricos da natureza que não têm senso de humanidade – e, além disso, contra os sofistas que não têm, inversamente, o significado da ciência.

Ao combinar os princípios aceitáveis ​​da física e do sofisticado – a forma científica do primeiro e a preocupação dos assuntos humanos no segundo -, é a sabedoria ou a ciência moral que é central para sua abordagem. Renunciando a entender o universo, a mente deve descer para limpar as verdades que estão adormecidas dentro dele até o estado de potencialidades (teoria platônica da reminiscência), e será capaz de dominar o conhecimento sem se submeter a coisas externas (como mostrado em Descartes e Kant).

Rejeitar aquilo que emana dos sentidos e paixões da ciência individual enfocará a natureza humana no que é universal, em uma palavra sobre os conceitos, nos quais Sócrates é o verdadeiro descobridor. Por indução, chegamos desta maneira a identificar espécies e expressá-las por definições: assim, Sócrates – preparando a teoria platônica das idéias, ele tenta definir tal coragem (Laches) ou a amizade (Lysis), ou a arte de viver que leva para a felicidade (segundo a tradição antiga, o bem é a felicidade) depende da ciência da alma que, frustrando a capacidade dos sofistas, desmascara a cegueira dos homens, muitas vezes preocupada com coisas inúteis (riqueza, reputação, etc.)

Perder o interesse no essencial é dizer a verdade que carrega sua alma. Esta ciência começa com um trabalho de purificação (já proposto pelos órficos e pitagóricos), que é para adiar as opiniões recebidas, depois destaca várias qualidades (temperança, justiça, etc.) que se transformarão em virtudes se usarmos corretamente.

De fato, o conhecimento exato da propriedade (que também é o benefício) desencadeia uma tendência irresistível à conclusão, necessariamente leva à virtude: “Ninguém é voluntariamente perverso”, exceto por ignorância. O método exclui qualquer revelação extra-intelectual – o demônio socrático é dissuasor, não da criação – e segue a dialética. Através de seus dois estágios, a ironia e a obstetrícia ou a mente obstétrica, a dialética permite que Sócrates identifique – em um clima de amizade – os pontos de concordância entre os parceiros, ou seja, verdades universalmente reconhecidas como exigência da razão.

Fundador da filosofia moral e o primeiro teórico do intelectualismo (que lhe rendeu a hostilidade de Nietzsche), apóstolo da liberdade de decisão e auto-reflexão, Sócrates serviu de exemplo para toda a tradição filosófica.

Ficou alguma dúvida sobre Sócrates? Deixem nos comentários suas perguntas!

Deixe um comentário