A teoria da evolução engloba a visão científica bem estabelecida de que a vida orgânica em nosso planeta mudou durante longos períodos de tempo e continua a mudar por um processo conhecido como seleção natural.

Charles Darwin, o naturalista do século 19, recebe crédito pela teoria, não porque ele foi a primeira pessoa a sugerir a evolução, mas porque ele propôs (em seu texto seminal de 1859, Sobre a Origem das Espécies) um mecanismo que explica o processo. de mudança.

A teoria da evolução contém duas partes, ambas desnecessariamente controversas. A primeira é a palavra “teoria”, que significa algo ligeiramente diferente na fala cotidiana do que na ciência.

A segunda palavra contenciosa é “evolução”, porque algumas pessoas argumentam que não há provas suficientes para apoiar a ideia de que as espécies mudam com o tempo. Os proponentes da última visão confiam em nossos usos duplos da teoria da palavra para confundir as questões.

A “teoria” da evolução: o que é?

Quando a maioria das pessoas usa a palavra “teoria”, elas se referem a um pouco de adivinhação bem argumentada.

Alguém poderia propor uma teoria sobre por que um time de futebol perdeu, o que poderia levar a um debate acirrado com outros torcedores de futebol precisamente porque as teorias em discussão derivam de meras especulações e hipóteses não testadas.

Quando os cientistas usam a palavra teoria, eles se referem a um grupo de princípios ou leis desenvolvidos ao longo de muitos anos por meio de testes rigorosos de hipóteses. Tais teorias são apoiadas por fórmulas matemáticas e linhas de evidência que, quando tomadas em conjunto, explicam uma série de observações.

A gravidade é um fato porque resume um número de observações que podem ser feitas por qualquer pessoa. Apesar do fato de que existem teorias diferentes explicando a gravidade (a lei de Newton, a teoria da relatividade de Einstein e, mais recentemente, a teoria quântica de campos), ninguém diria que a gravidade não existe.

Da mesma forma, a evolução biológica é apoiada por tantas evidências de várias disciplinas científicas que é um fato tão verdadeiro quanto a gravidade. A teoria da evolução, portanto, não é sobre se a evolução ocorre ou não, mas como ocorre.

Da mesma forma que nossa compreensão da gravidade mudou ao longo do tempo, nossa compreensão do processo de evolução mudou ao longo do tempo e continua a mudar.

Teoria da evolução

A teoria da evolução explica como ocorreu a evolução das espécies ao longo do tempo. (Foto: The Theory Of Evolution)

Seleção natural na teoria da evolução

Existem dois componentes principais para a teoria. O primeiro é o mecanismo da seleção natural, proposto independentemente por Charles Darwin e Alfred Russell Wallace em 1858.

Da mesma forma, a seleção artificial ocorre quando os criadores escolhem sementes ou haras que melhoram seu estoque na próxima geração, a seleção natural é o processo de classificar as coisas vivas de acordo com o quão bem adaptadas elas estão ao seu ambiente.

No caso da seleção artificial, os humanos escolhem quais características são desejáveis. No caso da seleção natural, características que aumentam a probabilidade de sobrevivência e reprodução se tornarão mais comuns dentro de uma população ou espécie ao longo do tempo.

No passado, a seleção natural foi deturpada, chamando-a de sobrevivência do mais apto. Essa afirmação simplifica demais o mecanismo, fazendo-o soar como uma tautologia: a sobrevivência daqueles que sobrevivem.

A verdade é que os indivíduos nunca sobrevivem. O que sobrevive é o processo de fazer outro indivíduo, e isso reside em genes encontrados em populações.

A seleção natural tem mais a ver com a reprodução diferencial do que com a sobrevivência, e o que ela seleciona são os genes que codificam traços ou características desejáveis. A interação dos indivíduos com seu ambiente fornece um mecanismo para classificar quais características (não quais indivíduos) serão passadas para a próxima geração.

A herança na teoria da evolução

O segundo maior componente da teoria é a natureza da herança, que segue os insights feitos por Gregor Mendel em 1865 e avançou consideravelmente desde então devido à nossa compreensão dos genes, do DNA e dos processos moleculares da vida.

Quando a seleção natural foi formulada pela primeira vez por Darwin, a natureza da herança não foi compreendida. Nossa compreensão atual da herança é muito sofisticada e inclui os mecanismos precisos para passar genes para a próxima geração, como os genes são modificados por mutação e como eles são compartilhados entre as espécies sexuais.

Se sabemos o suficiente sobre um gene e suas várias formas, é possível prever com precisão a mudança na frequência desses genes ao longo do tempo usando fórmulas matemáticas da teoria da população e da genética evolutiva.

Essa alteração das frequências gênicas é sutil e, à primeira vista, não parece digna de ser chamada de evolução. Mas são precisamente essas pequenas mudanças no nível genético que levam a grandes mudanças nos organismos que as carregam.

A classificação dos genes afeta o destino das populações: as populações se afastam e se tornam espécies, e as espécies divergem para criar grupos inteiros de plantas ou animais que dominam a paisagem por milhões de anos.

Os intrincados detalhes dos processos celulares são responsáveis pela gloriosa e majestosa diversidade da vida em nosso planeta.

A teoria da evolução inclui grandes mudanças ao longo de vastos períodos de tempo e pequenas mudanças feitas quando uma célula se divide em duas.

Esses processos formam uma continuidade que é a história da vida na Terra.

Ficou alguma dúvida sobre a teoria da evolução? Deixem nos comentários suas perguntas!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)