O socialismo é um sistema econômico utópico que foi implementado em diversos países no mundo e frequentemente resulta em catástrofes financeiras e sociais. Proposto inicialmente por Karl Marx, seu conceito foi constantemente modificado e trabalhado pelos estudantes da ideologia, resultando em moderado sucesso para influenciar algumas políticas públicas. Porém, sua implementação, mesmo que em grau menor, sempre resulta em consequências negativas para a sociedade que adota princípios socialistas.

O que é o socialismo?

O socialismo é um sistema econômico em que todos na sociedade possuem igualmente os fatores de produção. A propriedade é adquirida através de um governo democraticamente eleito. Também poderia ser uma cooperativa ou uma empresa pública, onde todos possuem ações. Os quatro fatores de produção são trabalho, empreendedorismo, bens de capital e recursos naturais.

Esses fatores são valorizados apenas por sua utilidade para as pessoas. Os socialistas levam em consideração tanto as necessidades individuais quanto as necessidades sociais maiores. Eles alocam recursos usando planejamento central, como em uma economia de comando.

Exemplos das maiores necessidades sociais incluem transporte, defesa, educação, saúde e preservação dos recursos naturais. Alguns também definem o bem comum como cuidar daqueles que não podem contribuir diretamente para a produção. Exemplos incluem os idosos, crianças e seus cuidadores.

Um mantra do socialismo é: “De cada um de acordo com sua capacidade, para cada um de acordo com sua contribuição”. Todos na sociedade recebem uma parte da produção com base em quanto cada um contribuiu. Este sistema os motiva a trabalhar longas horas se quiserem receber mais. Os trabalhadores recebem sua parcela de produção depois que uma porcentagem foi deduzida para o bem comum.

Os socialistas assumem que a natureza básica das pessoas é cooperativa. Eles acreditam que essa natureza básica ainda não surgiu completamente porque o capitalismo ou o feudalismo forçaram as pessoas a serem competitivas. Os socialistas argumentam que o sistema econômico deve apoiar essa natureza humana básica antes que essas qualidades possam emergir.

Na prática, porém, o que acontece é que o Estado socialista se torna centralizador e apenas aqueles próximos do Estado são fortalecidos e usufruem dos benefícios estatais. Ao invés da divisão dos bens do Estado, percebe-se historicamente a concentração dos recursos nas mãos de uma elite formada pelos funcionários estatais e os empresários que agem como ramificações deste mesmo estado.

Características do socialismo

Sob o socialismo, os trabalhadores não são mais explorados porque possuem os meios de produção. Os lucros são distribuídos equitativamente entre todos os trabalhadores, de acordo com sua contribuição individual.

Mas o sistema cooperativo também prevê aqueles que não podem trabalhar. Ele atende às suas necessidades básicas para o bem de toda a sociedade. O sistema elimina a pobreza. Proporciona igualdade de acesso aos cuidados de saúde e educação. Ninguém é discriminado.

Todo mundo trabalha com o que é melhor e o que se gosta. Se a sociedade precisa de empregos que ninguém quer, ela oferece uma compensação maior para que valha a pena. Os recursos naturais são preservados para o bem do todo.

Todas essas vantagens se tornam utópicas quando verificamos a realidade da sociedade moderna, e a forma como ela evoluiu.

A maior desvantagem do socialismo é que ele depende da natureza cooperativa dos humanos para trabalhar. Ele ignora aqueles dentro da sociedade que são competitivos, não cooperativos. As pessoas competitivas tendem a buscar maneiras de oferecer para a sociedade bens e serviços pelos quais receberá bem.

Como resultado, o socialismo não recompensa as pessoas por serem empreendedoras. Rapidamente a inovação entra em queda, e o país socialista passa a ficar atrasado em diversos pontos estratégicos. Ao longo do tempo, isso traz severas consequências sociais e culturais, geralmente desligando o país do resto do mundo globalizado e deixando-o isolado de inovações do mercado.

Uma terceira desvantagem é que o governo tem muito poder. Isso funciona desde que represente os desejos do povo. O que se vê são os líderes do governo abusando dessa posição e reivindicando o poder para si próprios, mesmo quando o socialismo “acaba”. É possível ver isso na Rússia, berço da União Soviética, onde há um estado altamente corrupto e centralizados.

Os socialistas acreditam que seu sistema é o próximo passo óbvio para qualquer sociedade capitalista. Eles vêem a desigualdade de renda como um sinal do capitalismo em estágio final. Eles argumentam que as falhas do capitalismo significam que ele evoluiu além de sua utilidade para a sociedade. Mas as falhas do capitalismo são endêmicas para o sistema, independentemente da fase em que se encontra.

A questão é que o socialismo é um sistema artificial, que deve ser implementado através de mudanças culturais e sociais artificiais, seja através da força ou da educação. Sua falha principal é desconsiderar a natureza humana de necessitar de incentivos para inovar e crescer, além de centralizar o poder em poucos ao invés de distribuí-lo, como acontece no capitalismo.

Socialismo e sua definição

O socialismo é um sistema econômico que prega que os bens da sociedade devem ser administrados e distribuídos igualmente pelo estado. (Foto: Foundation for Economic Education)

Tipos de socialismo

Existem oito tipos de socialismo. Eles diferem em como o capitalismo pode ser melhor transformado em socialismo. Eles também enfatizam diferentes aspectos do socialismo. Aqui estão os principais ramos do socialismo:

Socialismo Democrático: Os meios de produção são administrados pelos trabalhadores e existe um governo democraticamente eleito. O planejamento central distribui bens comuns, como transporte de massa, habitação e energia, enquanto o livre mercado pode distribuir bens de consumo.

Socialismo Revolucionário: O socialismo só surgirá depois que o capitalismo for destruído. “Não há caminho pacífico para o socialismo”. Os fatores de produção são de propriedade dos trabalhadores e gerenciados por eles através do planejamento central.

Socialismo Libertário: O Libertarismo assume que a natureza básica das pessoas é racional, autônoma e autodeterminada. Uma vez que as restrições do capitalismo tenham sido removidas, as pessoas naturalmente buscarão uma sociedade socialista que cuide de tudo, livre de hierarquias econômicas, políticas ou sociais. Eles vêem que é o melhor para seu próprio interesse.

Socialismo de Mercado: a produção é de propriedade dos trabalhadores. Eles decidem como distribuir entre si. Eles venderiam o excesso de produção no mercado livre. Alternativamente, poderia ser entregue à sociedade, que distribuiria de acordo com o mercado livre.

Socialismo Verde: Este tipo de economia socialista valoriza muito a manutenção dos recursos naturais. A propriedade pública de grandes corporações consegue isso. Também enfatiza o transporte público e alimentos de origem local. A produção se concentra em garantir que todos tenham o suficiente do básico, em vez de produtos de consumo que realmente não precisamos. Este tipo de economia garante um salário equalitário para todos.

Socialismo Cristão: Os ensinamentos cristãos de fraternidade são os mesmos valores expressos pelo socialismo.

Socialismo Utópico: isso era mais uma visão de igualdade do que um plano concreto. Surgiu no início do século XIX, antes da industrialização. Isso seria alcançado pacificamente através de uma série de sociedades experimentais.

Socialismo Fabiano: Esse tipo de socialismo foi exaltado por uma organização britânica no final do século XX. Defendia uma mudança gradual para o socialismo por meio de leis, eleições e outros meios pacíficos.

Precisa de mais ajuda para aprender como estudar o socialismo? Deixem nos comentários suas perguntas!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)