Quais são os países da União Europeia?

A União Européia é um órgão comercial e monetário unificado de 28 países membros. Elimina todos os controles de fronteira entre os membros. Isso permite o livre fluxo de mercadorias e pessoas, exceto as verificações aleatórias de crimes e drogas. A UE transmite tecnologias de ponta para seus membros. As áreas que beneficiam são proteção ambiental, pesquisa e desenvolvimento e energia.

Os contratos públicos estão abertos a licitantes de qualquer país membro. Qualquer produto fabricado em um país pode ser vendido a qualquer outro membro sem tarifas ou impostos. Os impostos são todos padronizados. Os profissionais da maioria dos serviços, como direito, medicina, turismo, bancos e seguros, podem operar em todos os países membros. Como resultado, o custo de passagens aéreas, internet e telefonemas caiu drasticamente.

Por que foi criada a União Européia?

Seu objetivo é ser mais competitiva no mercado global. Ao mesmo tempo, deve equilibrar as necessidades de seus membros fiscais e políticos independentes. A união dos países geograficamente próximos contribui para que eles também interajam economicamente com maior facilidade, tornando também cada vez mais prática a relação entre os países europeus.

Quais são os países da União Europeia?

Os 28 países membros da UE são: Áustria, Bélgica, Bulgária, Croácia, Chipre, República Tcheca, Dinamarca, Estônia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Holanda, Polônia, Portugal, Romênia, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Suécia e Reino Unido. Isso cairá para 27 depois que o Brexit forçar o Reino Unido a deixar a UE.

Qual a forma de governo da União Europeia?

Três órgãos dirigem a UE. O Conselho da UE representa os governos nacionais. O Parlamento é eleito pelo povo. A Comissão Europeia é o pessoal da UE. Eles garantem que todos os membros ajam de forma consistente nas políticas regionais, agrícolas e sociais. Contribuições de 120 bilhões de euros por ano dos Estados membros financiam a UE.

Eis como os três órgãos defendem as leis que governam a UE. Eles estão detalhados em uma série de tratados e regulamentos de apoio:

O Conselho da UE define as políticas e propõe nova legislação. A liderança política, ou Presidência da UE, é realizada por um líder diferente a cada seis meses.

O Parlamento Europeu debate e aprova as leis propostas pelo Conselho. Seus membros são eleitos a cada cinco anos.

A Comissão Europeia trabalha e executa as leis.

União Européia

A União Européia é uma organização que tenta unificar a Europa, fortalecendo os laços entre as nações e suas economias. (Foto: LSE Blogs)

Moeda da comunidade europeia

O euro é a moeda comum para a área da UE. É a segunda moeda mais comum no mundo, depois do dólar americano. Substituiu a lira italiana, o franco francês e o marco alemão, entre outros.

O valor do euro é de flutuação livre em vez de uma taxa de câmbio fixa. Como resultado, os negociadores de câmbio determinam seu valor todos os dias. O valor mais observado é o quanto o valor do euro é comparado ao dólar americano. O dólar é a moeda mundial não oficial.

A diferença entre a zona do euro e a UE

A zona do euro consiste em todos os países que usam o euro. Todos os membros da UE prometem converter para o euro, mas apenas 19 o fizeram até o momento. Eles são Áustria, Bélgica, Chipre, Estônia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Irlanda, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Holanda, Portugal, Eslováquia, Eslovênia e Espanha. A zona do euro foi criada em 2005.

O Banco Central Europeu é o banco central da UE. Ele define a política monetária e gerencia as taxas de empréstimos bancários e as reservas cambiais. Sua taxa de inflação alvo é inferior a 2%.

O espaço Schengen

O espaço Schengen garante a livre circulação de pessoas que residam legalmente dentro de seus limites. Residentes e visitantes podem atravessar fronteiras sem obter vistos ou mostrar seus passaportes. No total, existem 26 membros do Espaço Schengen. São Áustria, Bélgica, República Tcheca, Dinamarca, Estônia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Islândia, Itália, Letônia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Malta. , Holanda, Noruega, Polônia, Portugal, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Suécia e Suíça.

Dois países da UE, a Irlanda e o Reino Unido, recusaram os benefícios de Schengen. Quatro países não pertencentes à UE, Islândia, Liechtenstein, Noruega e Suíça adotaram o Acordo de Schengen. Três territórios são membros especiais da UE e fazem parte do espaço Schengen: os Açores, a Madeira e as Ilhas Canárias. Três países têm fronteiras abertas com o Espaço Schengen: Mônaco, São Marinho e Cidade do Vaticano.

História da União Europeia

Em 1950, o conceito de área comercial européia foi estabelecido pela primeira vez. A Comunidade Européia de Carvão e Aço tinha seis membros fundadores: Bélgica, França, Alemanha, Itália, Luxemburgo e Holanda. Em 1957, o Tratado de Roma estabeleceu um mercado comum. Eliminou os direitos aduaneiros em 1968. Estabeleceu políticas padronizadas, particularmente no comércio e na agricultura. Em 1973, a CECA adicionou Dinamarca, Irlanda e Reino Unido. Criou o seu primeiro parlamento em 1979. A Grécia aderiu em 1981, seguida pela Espanha e Portugal em 1986.

Em 1993, o Tratado de Maastricht estabeleceu o mercado comum da União Europeia. Dois anos depois, a UE adicionou Áustria, Suécia e Finlândia. Em 2004, mais doze países aderiram: Bulgária, Chipre, República Tcheca, Estônia, Hungria, Letônia, Lituânia, Malta, Polônia, Romênia, Eslováquia e Eslovênia.

Em 2009, o Tratado de Lisboa aumentou os poderes do Parlamento Europeu.5 Concedeu à UE a autoridade legal para negociar e assinar tratados internacionais. Aumentou os poderes da UE, o controle das fronteiras, a imigração, a cooperação judicial em questões civis e criminais e a cooperação policial. Abandonou a ideia de uma Constituição européia. O direito europeu ainda é estabelecido por tratados internacionais.

Economia europeia

A estrutura comercial da UE a levou a se tornar a segunda maior economia do mundo depois da China. Em 2018, seu produto interno bruto foi de US$22 trilhões, enquanto o da China foi de US$25,3 trilhões. Essas medidas usam a paridade do poder de compra para explicar a discrepância entre o padrão de vida de cada país. Os Estados Unidos ficaram em terceiro lugar, produzindo US$20,5 trilhões, segundo estimativas do Fundo Monetário Internacional.

Mas o sucesso da UE não é distribuído uniformemente: Itália, Grécia e Chipre têm altos níveis de dívida pública e privada, incluindo empréstimos bancários ruins. A Itália também tem alto desemprego, enquanto a França sofre de baixa produtividade. A Alemanha tem um grande superávit comercial. Muitos países precisam de reformas em seus sistemas de pensão e mercado de trabalho.

O que esperar da União Europeia?

Brexit. Em 23 de junho de 2016, o Reino Unido votou para deixar a União Europeia. Pode levar dois anos para negociar os termos da saída. Alguns membros da UE pediram uma retirada antecipada. A incerteza diminuiu o crescimento dos negócios das empresas que operam na Europa.

As empresas dos EUA são os maiores investidores na Grã-Bretanha. Desde 2016, os EUA haviam investido US$588 bilhões na Grã-Bretanha, enquanto as empresas britânicas empregavam mais de um milhão de pessoas nos Estados Unidos. O investimento da Grã-Bretanha nos Estados Unidos está no mesmo nível. Isso pode impactar até 2 milhões de empregos nos EUA / Reino Unido. Não se sabe exatamente quantas são detidas por cidadãos dos EUA.

O que causou o Brexit? Muitos no Reino Unido, assim como em outros países da UE, preocupavam-se com a livre circulação de imigrantes e refugiados. Eles não gostam das restrições e regulamentações orçamentárias impostas pela UE. Eles querem aproveitar os benefícios da livre circulação de capitais e comércio, mas não os custos.

Crise de imigração. Em 2015, 1,2 milhão de refugiados da África e do Oriente Médio chegaram às fronteiras da Europa.9 Na véspera de Ano Novo de 2016, gangues de jovens refugiados em toda a Alemanha roubaram, feriram e agrediram sexualmente mais de 1.200 pessoas, principalmente mulheres.

Como resultado, muitos países da UE fecharam suas fronteiras. Isso deixou 8.000 imigrantes na Grécia. A UE assinou um acordo com a Turquia para recuperar refugiados que chegaram à Grécia. Em troca, a UE pagaria à Turquia 6 bilhões de euros.10 Nas eleições de setembro de 2017, a oposição aos refugiados custou ao partido de Merkel a maioria no governo.11 A imigração é a principal razão pela qual a maioria do Reino Unido votou no Brexit.

Crise da dívida grega. Em 2011, a crise da dívida da Grécia ameaçou o conceito da própria zona do euro. Quase provocou crises de dívida soberana em Portugal, Itália, Irlanda e Espanha. Os líderes da UE garantiram aos investidores que eles ficariam por trás das dívidas de seus membros. Ao mesmo tempo, impuseram medidas de austeridade para restringir os gastos dos países. Eles queriam que todos os membros cumprissem os limites de dívida impostos pelos requisitos do Tratado de Maastricht.

Ficou alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas!

Deixe um comentário