Uma “caixa de Pandora” é uma metáfora em nossas línguas modernas, e a frase proverbial refere-se a uma fonte de infinitas complicações ou problemas decorrentes de um único e simples erro de cálculo. A história de Pandora nos chega da mitologia grega antiga, especificamente um conjunto de poemas épicos de Hesíodo, chamado Teogonia e Obras e Dias. Escritos durante o século VII aC, esses poemas relatam como os deuses criaram Pandora e como o presente que Zeus deu a ela acaba com a Era de Ouro da humanidade.

Caixa de Pandora: o que é?

Segundo Hesíodo, Pandora era uma maldição para a humanidade como retribuição depois que o Titã Prometeu roubou o fogo e o deu aos humanos. Zeus mandou Hermes martelar a primeira mulher humana – Pandora – fora da terra. Hermes a fazia adorável como uma deusa, com o dom de falar para mentir, e a mente e a natureza de um cão traiçoeiro. Atena a vestiu com roupas prateadas e a ensinou a tecer; Hefesto a coroava com um maravilhoso diadema de ouro de animais e criaturas do mar; Afrodite derramou graça em sua cabeça, desejo e preocupação em enfraquecer seus membros.

Pandora seria a primeira de uma raça de mulheres, a primeira noiva e uma grande miséria que viveria com homens mortais como companheiros apenas em tempos de abundância, e os abandonaria quando os tempos se tornassem difíceis. Seu nome significa “ela que dá todos os presentes” e “ela que recebeu todos os presentes”.

A metáfora da caixa de Pandora

Então Zeus enviou essa linda traição como presente ao irmão de Prometeu, Epimeteu, que ignorou o conselho de Prometeu de nunca aceitar presentes de Zeus. Na casa de Epimeteu, havia um jarro – em algumas versões, também era um presente de Zeus – e, devido à curiosidade insaciável de sua mulher gananciosa, Pandora levantou a tampa.

Fora do frasco, voavam todos os problemas conhecidos pela humanidade. Conflitos, doenças, labuta e uma infinidade de outros males escaparam do frasco para afligir homens e mulheres para sempre. Pandora conseguiu manter um espírito no pote quando fechou a tampa, um tímido pedacinho chamado Elpis, geralmente traduzido como “esperança”.

Caixa de Pandora

A caixa de Pandora é um dos mitos que contribuiu para a formação da filosofia moderna. (Foto: Medium)

Caixa, caixão ou jarra?

Mas nossa frase moderna diz “Caixa de Pandora”: como isso aconteceu? Hesíodo disse que os males do mundo foram mantidos em um “pithos”, e isso foi empregado de maneira uniforme por todos os escritores gregos para contar o mito até o século 16 dC. Pithoi são enormes frascos de armazenamento que geralmente são parcialmente enterrados no chão. A primeira referência a algo diferente de um pithos vem do escritor do século 16 Lilius Giraldus, de Ferrara, que em 1580 usou a palavra pyxis (ou caixão) para se referir ao detentor de males abertos por Pandora. Embora a tradução não seja exata, é um erro significativo, porque uma pyxis é um “sepulcro caiado”, uma bela fraude. Eventualmente, o caixão tornou-se simplificado como “caixa”.

Argumenta-se que essa tradução incorreta removeu explicitamente o mito de Pandora de sua associação com o dia de todos os santos, ou melhor, a versão ateniense, o festival de Anthesteria. O festival de bebida de dois dias envolve a abertura de barris de vinho no primeiro dia (a Pithoigia), liberando as almas dos mortos; no segundo dia, os homens ungiram suas portas com piche e mastigaram ervas para manter afastadas as almas recém-libertadas dos que partiram. Então os barris foram selados novamente.

O argumento é reforçado pelo fato de que Pandora é um nome de culto da grande deusa Gaia. Pandora não é apenas uma criatura voluntariosa, ela é a personificação da própria Terra; Kore e Perséfone, feitos da terra e nascendo do submundo. O pithos a conecta à terra, a caixa ou caixão minimiza sua importância.

Significado do mito de Pandora

O mito explica por que os humanos precisam trabalhar para sobreviver, que Pandora representa a bela figura do pavor, algo pelo qual os homens não podem encontrar nenhum dispositivo ou remédio. A mulher por excelência foi criada para seduzir os homens com sua beleza e sexualidade incontrolável, para introduzir falsidade, traição e desobediência em suas vidas. Sua tarefa era liberar todos os males do mundo, prendendo a esperança, indisponível para os homens mortais. Pandora é um presente de truque, uma punição pelo bem do fogo de Prometeu, ela é, de fato, o preço do fogo de Zeus.

A história de Pandora, de Hesíodo, é o ícone das idéias arcaicas gregas de sexualidade e economia. Hesíodo não inventou Pandora, mas adaptou a história para mostrar que Zeus era o ser supremo que moldou o mundo e causou a miséria do lote humano, e como isso causou a descendência humana da felicidade original de uma existência despreocupada.

Pandora e Eva

Nesse ponto, você pode reconhecer em Pandora a história da Eva bíblica. Ela também foi a primeira mulher e também foi responsável por destruir um paraíso inocente, todo masculino, e desencadear sofrimento para sempre. As duas estão relacionadas?

Vários estudiosos argumentam que a Teogonia era baseada em contos da Mesopotâmia, embora culpar uma mulher por todos os males do mundo seja definitivamente mais grego do que mesopotâmico. Pandora e Eva podem muito bem compartilhar uma fonte semelhante, e serem ambas primórdios dos ensinamentos éticos em mitos.

Dúvidas? Deixem nos comentários suas perguntas e iremos responder!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)