Milhares de crianças tem uma dificuldade de aprendizagem e muitas outras falham na escola por causa das dificuldades em aprender a ler. Uma análise de décadas de pesquisa sobre como crianças pequenas podem aprender melhor a ler indica que, na maioria dos casos, essas dificuldades podem ser evitadas. E praticamente os mesmos processos podem funcionar para adultos que precisam aprender a ler.

A seguir estão as estratégias concretas que os professores, amigos e familiares podem usar para ajudar outros a construírem uma base sólida para a leitura.

Para aprender a ler é preciso a apreciação da palavra escrita

Compartilhe histórias com crianças e adultos e convide-os a explorar a mágica de uma história. Compartilhe textos informativos e convide os ouvintes a questionarem as novas idéias apresentadas. Aproveite todas as oportunidades para apontar as maneiras pelas quais a leitura é essencial para as comunicações da vida cotidiana (por exemplo, em rótulos, instruções e sinais).

Aprender e ler passa pela consciência da linguagem impressa e do sistema de escrita

Certifique-se de que os ouvintes saibam como os livros são organizados. Eles devem aprender o básico sobre livros, como o fato que eles são lidos da esquerda para a direita e de cima para baixo, que a impressão pode ser acompanhada de figuras ou gráficos, que as páginas são numeradas e que o propósito da leitura é ganhar texto e entender idéias que as palavras transmitem.

Consiga livros com letras grandes de fácil leitura. Use histórias que tenham palavras previsíveis no texto. Use “livros grandes” para ajudar outros a perceberem e aprenderem a reconhecer palavras que ocorrem com frequência, como a, o, e, você, eu, etc.

Etiquete objetos comuns para ajudar a pessoa a associar as palavras com seus respectivos objetos.

Veja como aprender o alfabeto

Um forte preditor da facilidade com que uma pessoa aprende a ler é sua familiaridade com as letras do alfabeto. Essa familiaridade é um elemento fundamental para aprender a ler.

É importante ir além do conhecimento dos nomes das letras. Os alunos também devem desenvolver um senso do propósito das letras.

Ajude-os a perceber as letras na impressão que as cercam e compartilhe com elas todos os dias.

Envolva as pessoas em atividades que os ajudem a aprender a reconhecer as cartas visualmente.

Ajude-os a aprender a formar cartões com escritas e encoraje-os a embelezar seu trabalho com seus nomes e com outras primeiras tentativas de escrever.

Desenvolva a consciência fonológica para aprender a ler

Ao ouvir e falar, prestamos atenção ao significado da linguagem e não ao seu som. Para aprender a ler, no entanto, os aprendizes devem ser ensinados a atender aos sons, ou fonologia, da linguagem. Isso é necessário para que eles entendam como a fala é representada pela impressão. Indivíduos com dificuldades de aprendizagem precisam de ajuda especial para aprender a desenvolver essa consciência fonológica.

Modele e demonstre como dividir sentenças curtas em palavras individuais. Por exemplo, use a frase “Sapos comem insetos” e demonstre com fichas, cartões ou outras ferramentas como a frase é composta de três palavras e como a ordem das palavras é importante. Brinque com cada palavra e coloque-a em ordens diferentes.

Desenvolva a consciência dos aprendizes sobre os sons das palavras individuais, pedindo-lhes que contem as sílabas e escutem e gerem rimas. Quando os aprendizes se sentirem à vontade para brincar com palavras, sílabas e rimas, vá para a consciência fonêmica.

Aprendendo a ler

Seja uma criança ou adulto, aprender a ler vai ajudar a abrir possibilidades e um futuro mais promissor. (Foto: Times Higher Education)

Desenvolva a consciência fonêmica

Consciência fonêmica refere-se ao entendimento de que palavras e sílabas são compostas por uma sequência de sons elementares da fala. Esse entendimento é essencial para aprender a ler uma linguagem alfabética. A maioria das pessoas com dificuldades de leitura não consegue entender essa ideia.

Ao ensinar consciência fonêmica, o foco de todas as atividades deve estar no som das palavras, não em letras ou grafias. Use estratégias que tornem os fonemas proeminentes na atenção e percepção das pessoas. Por exemplo, modele sons específicos, como /s/ na palavra sentar, e peça para o aprendiz para produzir cada som isoladamente e em muitas palavras diferentes até que estejam confortáveis ​​com o som e compreendam sua natureza.

Comece com palavras simples e desafios simples, por exemplo, ouça as iniciais /s/ sentar, sair, sinal, depois comece a apresentar palavras como sino e sina, censo e senso, e mostre as diferenças.

Ensine os aprendizes a misturarem fonemas em palavras. Comece identificando apenas um fonema, e  trabalhando gradualmente para misturar todos os fonemas em palavras.

Ensine a identificar os fonemas separados dentro das palavras, por exemplo, qual é o primeiro som da sopa? Qual é o último som do beijo?

Os fonemas iniciais são mais fáceis de identificar que os fonemas finais.

Quando os aprendizes estiverem à vontade para ouvirem os fonemas individuais, ensine-os a dividir as palavras em sons componentes.

Crie uma sequência de atividades de segmentação e mesclagem para ajudar os alunos a desenvolverem uma compreensão da relação entre sons em palavras.

Forneça aos aprendizes mais apoio ao ensinar uma tarefa pela primeira vez. Por exemplo, modele um som ou uma estratégia para criar o som e peça a eles que usem a estratégia para produzir o som. Modele e pratique vários exemplos. Peça a eles que usem a estratégia durante a prática guiada e, gradualmente, adicione mais exemplos. À medida que os aprendizes dominam essas habilidades, fornecem menos instruções direcionadas ao professor e mais prática e desafio.

Faça do ensino de consciência fonológica uma prioridade máxima. Oportunidades para participar de atividades de conscientização fonológica devem ser abundantes, frequentes, breves e divertidas.

A consciência fonêmica é essencial para aprender a ler, mas não é suficiente por si só. Deve ser acompanhado de instrução e prática no aprendizado da relação entre letras e sons.

Ensine a relação de sons e letras

Os aprendizes devem aprender as letras do alfabeto e discriminar cada letra da outra, porque cada uma representa um ou mais dos sons que ocorrem nas palavras faladas.

Ao apresentar cada letra, modele seu som correspondente e peça ao aprendiz que produza o som. Para pessoas com dificuldades de aprendizagem, as atividades de ensino devem ser explícitas e não ambíguas.

Inicialmente, ensine e trabalhe com apenas algumas correspondências letra-som que tenham alta utilidade em muitas palavras. Adie o ensino de letras que ocorrem com menos frequência até que os alunos tenham uma compreensão firme de como as grafias da esquerda para a direita representam os penúltimos sons (compreensão alfabética).

Ensine a entoar as palavras

Depois que os alunos tiverem aprendido algumas correspondências entre letras e sons, ensine-os a decodificá-las ou ouvi-las. Comece com palavras pequenas e familiares. Ensine a tocar as letras, da esquerda para a direita, e misture-as, procurando a palavra na memória.

Modele soando a palavra, misturando os sons e dizendo a palavra. A capacidade de ouvir novas palavras permite que as pessoas identifiquem e aprendam novas palavras por conta própria.

Dê para o aprendiz histórias que contenham palavras que reflitam os padrões de sons de letras que foram ensinados e incentive-os a pronunciar palavras sempre que estiverem incertas.

Ajude o outro a aprender convenções de ortografia comparando e contrastando muitos exemplos.

Ensine o aprendiz a soletrar palavras

Ensine o aprendiz a soletrar palavras, soando suas letras, uma por uma. Modele o processo de sondagem e soletração enquanto os aprendizes soletram.

Comece com palavras curtas que os aprendizes podem soar, porque essas palavras seguem convenções de ortografia regulares, por exemplo, boné, bola e bolo.

Comece com palavras simples que não contenham misturas consonantais.

Incentive os alunos a usar o conhecimento ortográfico e estratégias regularmente em suas próprias redações.

Introduza as convenções de ortografia sistematicamente. Comece com palavras que exemplifiquem as convenções mais frequentes e básicas, e forneça apoio e prática para ajudar os alunos a generalizar a partir dessas palavras para os outros. O objetivo é ajudá-los a verem as convenções de ortografia nas palavras. Use palavras nas quais as correspondências letra-som representem seus sons mais comuns.

Desenvolva uma sequência e um cronograma de oportunidades que permitam que os aprendizes apliquem e desenvolvam instalações com sons e palavras em seu próprio ritmo. Especifique quais habilidades avaliar e quando avaliá-las para que você saiba quando seguir em frente. Leve em conta o conhecimento de fundo e o ritmo de cada aluno ao passar do som para as palavras combinadas para a leitura do texto conectado.

Ajude os aprendizes a desenvolver uma leitura fluente e reflexiva

Ajude o ouvinte a aprender a ler fluentemente, exigindo que elas leiam novas histórias e releem histórias antigas todos os dias.

Ajude-os a ampliar sua experiência com as palavras, a linguagem e as ideias em livros, lendo de forma interativa textos mais difíceis com eles e com eles todos os dias.

Relacionar informações em livros a outros eventos de interesse como feriados, animais de estimação, irmãos, jogos, trabalho. Envolva os ouvintes na discussão dos tópicos.

Tanto em histórias quanto textos informativos, incentive a admiração. Faça perguntas como por que, quando, onde, como, e faça o aprendiz responder.

Modelo de estratégias de compreensão e fornecer aos alunos uma assistência guiada para a melhor leitura.

Indique como os títulos e textos dizem o que é um livro.

Ajude os alunos a identificar as principais ideias apresentadas no texto, bem como os detalhes de apoio. Os gráficos ajudam a revelar as ideias principais e a relação entre texto e gráficos ajuda os alunos a entender o que estão lendo.

Apontar palavras desconhecidas e explorar seu significado. Revise essas palavras com frequência e incentive os aprendizes a usá-las em suas próprias conversas.

Apontar palavras desconhecidas e explorar seu significado. Revise essas palavras com frequência e incentive os alunos a usá-las em suas próprias conversas.

Mostre aos aprendizes como analisar pistas contextuais para descobrir o significado de uma palavra desconhecida. Pesquisas mostram que a maior parte do crescimento do vocabulário vem da aprendizagem de novas palavras na leitura e de livros que dão mais prazer em ler.

Quem você está ensinando a ler? Como está sendo o aprendizado e o ensino?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)